MAP Linhas Aéreas fará voos a partir de Macapá

Senador Randolfe Rodrigues comemora a chegada de mais uma empresa no estado e a ampliação de voos

Na manhã de hoje (21), o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), acompanhado do Prefeito de Macapá Clécio Luís, esteve com o vice-presidente da MAP Linhas Aéreas, Marcos Pacheco, que ofertará voos saindo de Macapá para Belém, Manaus, Parintins, Altamira, Santarém, Itaituba e Caiena, na Guiana Francesa. A empresa espera apenas a autorização da ANAC para iniciar os voos. Com a MAP agora serão 13 opções de voos diários e cinco empresas atuando no mercado amapaense.

“O nosso objetivo é aumentar a competitividade do mercado e possibilitar a diminuição das tarifas das passagens aéreas, assim evitar o caos aéreo que vivemos aqui no ano passado”, afirmou o senador Randolfe Rodrigues, que também esteve presente na chegada da Azul Linhas Aéreas e Sete.

Randolfe apresentou o vice-presidente da MAP ao governador do estado, Camilo Capiberibe, que se mostrou solicito a vinda de mais uma empresa ao estado. Marcos Pacheco, durante a visita, solicitou a redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na compra do querosene de aviação, tendo em vista que a tarifa no estado é uma das mais altas do Brasil.

“Nós avaliamos o quantitativo de passageiros, as rotas possíveis e os custos, esperamos iniciar as operações em Macapá em janeiro de 2014. O valor do querosene de aviação influir diretamente no custo das passagens”, explicou Marcos Pacheco, que afirmou que a empresa vai avaliar efetuar voos de Macapá para Oiapoque.

A MAP Linhas Aéreas, do Grupo Manaus Aerotáxi Participações, é uma empresa de Manaus (AM), voa com aeronaves modelo ATR 42 e ATR 72, com capacidade para 46 passageiros e 70 passageiros, respectivamente.

AEROPORTO – O vice-presidente da MAP, senador Randolfe Rodrigues e o Prefeito Clécio Luís, também estiveram no aeroporto. Marcos foi conhecer as instalações e onde possivelmente será localizado o guichê da MAP. O grupo foi recebido pelo superintendente da INFRAERO no Amapá, Arley Machado.

AVANÇOS – Com a chegada da MAP, serão cinco empresas operando voos no Amapá, são elas: TAM, Gol, Azul e SETE, ao todo são 13 opções de voos diários. Os módulos de embarque e desembarque do Aeroporto Internacional de Macapá, passaram por uma ampliação, fruto de um esforço da bancada federal. A capacidade do lugar quase que triplicou, passou de 600 mil/ano para 1,4 milhão de passageiros por ano.

No inicio do ano, o senador Randolfe esteve na sede da BR Distribuidora, no Rio de Janeiro, com o presidente José Lima e apresentou as necessidades do Amapá quanto ao combustível de aviação. A empresa já iniciou as obras para a implantação de um Posto de Abastecimento de Aeronaves (PAA) da Petrobrás, um “BR Center”, uma espécie de hangar VIP, onde pode ser realizado o tratamento das aeronaves e proporcionar conforto aos pilotos. Macapá passará a ser um ponto estratégico de entrada no Brasil. As taxas dos serviços realizados serão cobradas aqui, portanto a arrecadação ficará no município, bem como pode proporcionar a redução do valor da querosene.

2015 é a previsão para a inauguração do novo Aeroporto de Macapá

Senador Randolfe visitou novos módulos do aeroporto de Macapá e vai acompanhar obra do novo prédio

De acordo com o superintende da Infraero no Amapá, David Oliveira, o novo Aeroporto Internacional de Macapá Alberto Alcolumbre deverá ser inaugurado no primeiro semestre de 2015. A informação foi repassada durante a visita do senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) a sede da instituição no Amapá, nesta sexta-feira (07).

Desde o inicio do mandato o senador Randolfe tem cobrado o andamento das obras do novo aeroporto da capital, que no período de 2007 a 2009 foram paralisadas. Sem o retorno das obras, por impedimentos judicias em decorrência da operação Gautama da Polícia Federal, a Infraero iniciou o processo de construção de dois módulos de embarque e desembarque do aeroporto, inaugurados no mês de maio.

Dados da Infraero mostram que em 2012, cerca de 500 mil passageiros circularam pelo aeroporto Alberto Alcolumbre, com os novos módulos o local poderá receber 2,1 milhões de passageiros por ano, quadruplicou a capacidade do aeroporto. “É outra realidade. Esta estrutura não perde em nada para os demais aeroportos do Brasil, mas não vamos descansar enquanto não for finalizada a obra do novo aeroporto”, afirmou o senador.

A área de terminal foi ampliada de 2,9 milm² para 5,4 milm². Os módulos operacionais duas esteiras, maiores que a anterior. O embarque tem cinco gates (portões), quatro para embarque nacional e um para o internacional e, ainda, estão previstos espaços para lanchonetes, revistarias e afins.

MAIS VOOS
Os amapaenses também têm mais opções de voos, hoje são 12 voos diários saindo de Macapá, antes eram apenas quatro. Os voos são oferecidos pelas companhias TAM, GOL, SETE Linhas Aéreas e AZUL Linhas Aéreas. Com a nova estrutura mais uma companhia sinalizou interesse em incluir o Amapá na sua malha. “Conversei com o presidente da MAP Linhas aéreas por telefone, Marcos Pacheco e até setembro a empresa vai começar a ofertas voos saindo de Macapá”, contou o senador. “Com mais uma companhia aérea hoje você consegue comprar um trecho com menos de R$100”, completou.
IMPOSTO

A manutenção dos voos conquistados para o Estado e a diminuição das tarifas é diretamente influenciada pela oferta de querosene de aviação. “O Amapá tem uma das maiores alíquotas de ICMS de querosene de aviação do país, algo em torno de 25%. Em Brasília o governo baixou a alíquota e conseguiu aumentar a opções de voos para a população”, afirmou o senador. A Petrobrás já sinalizou a implantação, no segundo semestre de 2013, de um Posto de Abastecimento de Aeronaves (PAA) da Petrobrás, na capital.

A partir de setembro a MAP Linhas Aéreas oferta voos partindo de Macapá

Amapaenses que já estão usufruindo dos novos módulos de embarque e desembarque, agora, além da AZUL, terão a MAP Linhas Aéreas como opção de voo
Em uma conversa por telefone com o Senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), o presidente da MAP Linhas Aéreas, Marcos Pacheco, informou a chegada da empresa em Macapá no próximo mês de setembro. A MAP irá ofertar voos partindo da capital para Altamira, Belém, Parintins e Manaus. Os amapaenses já usufruem dos resultados da batalha para resolver o problema do caos aéreo no Estado, como: os novos módulos de embarque e desembarque e os voos ofertados pela Azul Linhas Aéreas.

De acordo com a Infraero em 2012, cerca de 500 mil passageiros circularam pelo aeroporto Alberto Alcolumbre. Com os novos módulos o aeroporto poderá receber 1,4 milhões de passageiros, quase o triplo de pessoas. A área de terminal foi ampliada de 2,9 mil m² para 5,4 mil m². Os módulos operacionais duas esteiras, maiores que a anterior. O embarque tem cinco gates (portões), quatro para embarque nacional e um para o internacional e, ainda, estão previstos espaços para lanchonetes, revistarias e afins.

MAIS VOOS

Até o ano passado, os amapaenses poderiam contar com quatro voos diários, agora são 12 voos saindo de Macapá todos os dias. Reflexos de avanços, da entrada da SETE Linhas Aéreas e da AZUL Linhas Aéreas. “Com a chegada de mais uma companhia aérea estimula-se o mercado e com mais oferta de voos pode-se reduzir o valor das passagens. Hoje você consegue comprar um trecho com menos de R$100”, disse o Senador.

Em 2012, o senador Randolfe articulou a instalação da empresa goiana SETE Linhas Aéreas na capital. A empresa passou a oferecer voos no trecho Belém/Monte Dourado/Macapá/Belém, utilizando a aeronave do modelo EMB-120 com capacidade para 30 passageiros.

Em 2013, a Azul já passou a operar voos diários nos trechos Macapá (AP)/Belém(PA) e Belém(PA)/Macapá(AP), realizados com uma aeronave ATR72, com capacidade para 70 passageiros. E em setembro, já se aguarda a chegada da MAP Linhas Aéreas (Manaus Aerotáxi Participações), uma empresa aérea brasileira sediada em Manaus, com aeronaves modelo ATR66.

“O caos aéreo no Amapá havia se instalado devido as altas tarifas de passagens, custos com querosene de aviação, duopólio de companhias aéreas, além da falta de infraestrutura no aeroporto para receber novas empresas”, explicou Randolfe. “Nossos esforços tem sido no sentido de trazer mais conforto para a população, que não pode ser refém nesse caso. Atrair novas empresas e buscar a redução dos preços das tarifas estimulando o mercado”, completa.

COMBUSTÍVEL

Em janeiro deste ano, o senador esteve na sede da BR Distribuidora, no Rio de Janeiro, com o presidente, José Lima, e apresentou todas as necessidades do Amapá. A expectativa é de que no segundo semestre de 2013 seja instalado no Alberto Alcolumbre um Posto de Abastecimento de Aeronaves (PAA) da Petrobrás.

O posto será um “BR Center”, uma espécie de hangar VIP, onde pode ser realizado o tratamento das aeronaves e proporcionar conforto aos pilotos. Esse tipo de local existe em apenas quatro aeroportos no país. Assim, Macapá será um ponto estratégico de entrada no Brasil. As taxas dos serviços realizados serão cobradas aqui, portanto a arrecadação ficará no município.

“A dependência da manutenção dos voos conquistados para o estado e a diminuição das tarifas fica a cargo da oferta de querosene mais barata. O Amapá tem uma das maiores alíquotas de ICMS de querosene de aviação do país, algo em torno de 25%. Em Brasília o governo baixou a alíquota e conseguiu aumentar a opções de voos para a população”, afirmou o senador.

Randolfe cobra da Infraero a inauguração dos novos módulos no Aeroporto de Macapá

Desde 2011 o Senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) vem tencionando junto a Infraero por alternativas para resolver o caos aéreo no Amapá e pela conclusão das obras do Aeroporto Internacional de Macapá Alberto Alcolumbre. Em março de 2013 serão inaugurados os módulos operacionais de embarque e desembarque, que irão facilitar a vida de quem precisa viajar em Macapá. Um avanço para a resolução dos problemas.
Os novos módulos vão ampliar em 50% a capacidade de circulação de passageiros. Com 1.300m² e feito em material termoisolante, os módulos operacionais, terão duas esteiras maiores do que a que atende os passageiros hoje, climatização e, além disso, serão construídos quatro novos portões. No módulo embarque, estão previstos espaços para lanchonetes, revistarias e afins. Hoje, o pátio do aeroporto comporta apenas três aeronaves.
Histórico
Ano passado, em maio de 2012, o senador protocolou denúncia contra a Infraero junto ao Ministério Público Federal no Amapá, relativa à morosidade na conclusão das obras do aeroporto. Em setembro do ano passado, ele também realizou uma audiência pública em Brasília, intitulada “Caos aéreo nas regiões Norte e Nordeste”, com a presença das empresas de aviação civil, além de integrantes da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e da Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República (SAC), na época os representantes das empresas aéreas criticaram a infraestrutura oferecida.
Outro ponto que chegou a ser questionado pelo Senador diz respeito ao valor das passagens aéreas com origem ou destino Macapá. “Absurdo. Este é o termo correto a ser utilizado para a situação de completo abandono e de caos do sistema aéreo da minha cidade de Macapá. No Amapá já temos um conjunto de problemas de infraestrutura básica, como saneamento e distribuição de energia elétrica. Este problema com as passagens aéreas torna praticamente impossível o nosso deslocamento no Estado”, diz Randolfe.
Avanços
Mas foi ainda no final de 2012, que o senador garantiu a instalação da empresa goiana SETE Linhas Aéreas, que oferece voos no trecho Belém/Monte Dourado/Macapá/Belém. A aeronave do modelo EMB-120 tem capacidade para 30 passageiros.
Nesta quinta-feira (23), o senador Randolfe, acompanhado de representantes da bancada federal reúnem no Rio de Janeiro com a BR Distribuidora para buscar alternativas para reduzir os custos com combustíveis, o que trará possibilidades de novas empresas ingressarem no mercado amapaense.