Mais tecnologia e interação para o CEPA

Emenda do Senador Randolfe Rodrigues garante mais equipamentos para o trabalho de professores e técnicos do CEPA

Os professores do Centro de Formação Profissional do Amapá (CEPA) agora podem contar com mais uma ferramenta de pesquisa e aperfeiçoamento, bem como de interação com os alunos. Na manhã de hoje (21), foram entregues os 88 tablets para os professores, fruto da emenda de 2012 do senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP).
O evento marca o encerramento das comemorações pelo dia dos professores, no último dia de 15 de outubro. Os tablets de 10” são da marca positivo, oriundos da emenda de R$400 mil, que além dos tablets também prevê a aquisição de 40 computadores interativos, 48 aparelhos de ar-condicionado e 100 notebooks, que ainda estão com o processo de licitação para aquisição em analise pela Secretaria de Estado de Educação (SEED).
Os professores comemoraram a chegada dos equipamentos. “Vai facilitar bastante nosso trabalho, principalmente no que diz respeito à pesquisas na internet e na aplicação de trabalhos na sala de aula”, afirmou a coordenadora e professora do curso de eventos, Nazaré Ferrão.

“Fizemos a emenda ao orçamento de 2012, liberada pelo Fundo Nacional de Educação e agora os professores podem usufruir dos equipamentos e enriquecer o ensino e desenvolver diferentes formas de repassar seus conhecimentos a todos os alunos”, afirmou o senador.

A entrega dos tablets foi realizada em uma solenidade na própria escola, organizada pelo Governo do Estado, por meio do governador Camilo Capiberibe, com a participação dos professores e diretora do CEPA, Margareth Chermont.

CEPA – No local estudam cerca 250 alunos e outros 1060 matriculados no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego com o objetivo de ampliar a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica (PRONATEC), ao todo são 117 professores.

Nota de Solidariedade do PSOL aos Trabalhadores da Educação do Amapá

O PSOL vem a público externar que lamenta o fato ocorrido na última sexta-feira, 26 de março, na Assembleia Legislativa do Amapá, onde o projeto de reajuste salarial do GEA foi aprovado em toque de caixa pelos deputados, quando membros do magistério foram agredidos.

Nosso partido é contra a retirada de direitos, bem como qualquer tipo de imposição, no que diz respeito, a negociação com os servidores públicos. Acredita ser importante o GEA, não só abrir a mesa de negociação, mas também rever os pontos aprovados no projeto votado pela ALAP, pois seu conteúdo gerou uma grande insatisfação na categoria da educação. O partido deixa claro que está ao lado dos trabalhadores da educação, e sabe que o debate de incorporação da regência é polêmico na categoria, e assim qualquer medida nesse sentido não pode ser feita de forma impositiva, sem que a categoria seja ouvida.

O PSOL é contra imposições e trabalhará para a reabertura do diálogo do GEA com os professores.

Macapá, 27 de abril de 2013
Diretório Estadual do PSOL no Amapá

Sindicato dos servidores público da educação pede apoio ao Senador Randolfe

O Senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) recebeu os representantes do Sindicato dos Servidores Públicos em Educação do Estado do Amapá (Sinsepeap) para tratar sobre o direito dos profissionais da educação do ex-território do Amapá de incorporação da Gratificação Específica de Atividade Docente do Ensino Fundamental, Médio e Tecnológico (GEAD), sem a distinção de titulação. O Senador vai intermediar a conversa do Sindicato com a Ministra de Planejamento, Miriam Belchior, em Brasília.
De acordo com o Sinsepeap, o pagamento é referente ao retroativo de 19 meses de GEAD, que compreende ao período de maio/2004 a novembro/2005, até o momento, apenas 1500 profissionais do ex-território do Amapá terão seu direito garantido, os outros 1622 docentes de nível médio, que teriam sido equiparados a graduados, estão em um impasse para o recebimento da gratificação.

A previsão é que este ano seja pago em média R$20 mil para cada professor, até o final do ano. “Nós precisamos da anuência do Ministério do Planejamento, já que estes professores tiveram esse reconhecimento de titulação pelo Supremo Tribunal Federal, não é agora que tem que ser feita essa distinção. É preciso que seja aceito o enquadramento pela equiparação assinado previamente”, afirmou o presidente do sindicato, Aroldo Rabelo.

“Nós vamos marcar uma reunião de trabalho com a Ministra do Planejamento e apresentar essas questões para buscar resolução para este impasse o quanto antes e garantir que todos recebam a gratificação”, disse o Senador Randolfe.

MEC vai elaborar diagnóstico para ajudar PMM a reestruturar Educação

Macapá tem uma média de cobertura da educação básica de 3%, enquanto a média brasileira é de 23%, a situação é urgente.

Na próxima segunda-feira (18), três representantes do Ministério da Educação (MEC) chegam a Macapá para elaborar um diagnóstico sobre a educação no município. A iniciativa partiu após uma reunião em Brasília, na presença do ministro da educação Aloizio Mercadante, Senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), Prefeito de Macapá, Clécio Luis e a secretária adjunta de Educação Municipal de Macapá (Semed). Antônia Andrade.

Dados do MEC indicam que Macapá tem uma média de cobertura da educação básica de 3%, enquanto a média brasileira é de 23%. “3% não faz sentido, e isso não é falta de recursos, é falta de gestão”, disse Mercadante ao comentar a situação da prefeitura entregue à Clécio Luis em 1º de janeiro.

Os problemas de infraestrutura das 81 escolas municipais e dos 20 anexos, que segundo o prefeito, pelas péssimas condições são “verdadeiros depósitos de crianças”. Os problemas de infraestrutura são agravados pela falta de vagas. São 29 mil crianças em idade escolar e 14 mil estão fora da escola.

Uma alternativa proposta pelo ministro Mercadante foi a de locação de prédios que poderão abrigar escolas de forma provisória, enquanto a situação de infraestrutura das escolas municipais é solucionada.

“É um absurdo não ter sido construído uma escola sequer nos últimos 4 anos, o número de alunos cresceu e não há infraestrutura para atender essas crianças. Precisamos agir com urgência para solucionar esses problemas que interrompem uma fase fundamental no aprendizado de qualquer criança”, enfatiza Randolfe.

Randolfe pede investimentos federais para o ensino superior na Amazônia

Da Agência Senado: Em discurso no Plenário nesta quarta-feira (16), o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) disse que é preciso federalizar a educação no Brasil. O senador lembrou que o Plano Nacional de Educação (PNE) deve ser votado na próxima semana na Câmara dos Deputados. O PNE (Projeto de Lei 8035/2010) tem o deputado Ângelo Vanhoni (PT-PR) como relator.

O senador disse que tem a impressão de que o PNE é insuficiente para o país, já que o projeto recebeu 2.900 emendas na Câmara dos Deputados. Para Randolfe Rodrigues, um dos temas mais importantes a ser abordado no PNE é a expansão do ensino superior. Ele lamentou que a iniciativa privada tenha mais ações nesse sentido do que o governo. Segundo o senador, essa expansão deve focar nas instituições públicas de forma regionalizada.

Randolfe Rodrigues disse ainda que é preciso investir na formação de mestres e doutores, até para o Brasil ser melhor representado na comunidade internacional. O senador lamentou o fato de que a Região Norte tenha poucos mestres e doutores e disse que o Amapá tem apenas 16 instituições de ensino superior, sendo que apenas duas são públicas. Segundo o senador, essa situação mostra as desigualdades regionais e reforça a necessidade de um novo debate sobre o pacto federativo.

– Precisamos combater as desigualdades regionais e construir uma nação mais igualitária. A região amazônica precisa com urgência de mais investimentos em educação – disse o senador.
Da Redação / Agência Senado

Ouça aqui o áudio do pronunciamento do Senador sobre o tema

[audio:http://blogdorandolfe.com.br/wp-content/uploads/2011/11/federalizaçãoda-educação.mp3|titles=federalizaçãoda educação]

Download do arquivo

Randolfe participa da posse da diretoria da UNE em Brasília

O Senador Randolfe Rodrigues participou nesta quarta-feira (10) da posse oficial da nova diretoria da União Nacional dos Estudantes (UNE), que estará à frente da entidade pelos próximos dois anos. O ato ocorreu na Câmara dos Deputados, em Brasília, e contou com a presença de lideranças estudantes, parlamentares, representantes do governo federal e de entidades ligadas à juventude.  Durante sua saudação aos presentes o Senador parabenizou em especial, Patrique Lima, atual presidente da União da Juventude Socialista do Amapá e que irá compor a Diretoria executiva da UNE.

A UNE completa 74 anos de vida neste ano e o Senador Randolfe Rodrigues é autor de um requerimento, já protocolado no Senado, que pede uma sessão solene em homenagem ao aniversário da entidade estudantil da qual Randolfe foi integrante nos anos 90.

Neste ano, as mobilizações da UNE terão como foco principal a defesa incondicional dos 10% do PIB e 50% do fundo social do Pré-sal para a educação. Al[em é claro das bandeiras locais aos protestos, como a luta pela melhoria do transporte público e mais investimentos na educação municipal e estadual.